23 de novembro de 2012

Um, dois, a TIM vai te pegar

"E tudo ficou tão claro
Um intervalo na escuridão...
Sonhos que podemos ter"
Engenheiros do Hawaii



Em tempos de sofrimento por falta de sinal razoável de rede telefônica, é muito raro encontrar pessoas sem queixas contra a TIM. Eu mesma tenho, no mínimo, 5 motivos pra abrir o berreiro e começar a falar mal NA ALTA dessa operadora de mieeerda. Um deles, inclusive, virou causa também do Tribunal de Pequenas Causas (na época em que eu tinha disposição pra lutar contra cobranças indevidas), outros 2 pararam no PROCON (uma das pérolas de relatórios deste querido órgão encontra-se abaixo para simples conferência), e o restante foi impedido à força, pela minha grandiosa preguiça de levar qualquer treta dessa adiante. Canseira que dá, gente.


(clique para ampliar e boa leitura)

Fato é que quem não tem êxodo ao estalar o molder 3G, provavelmente não vai conseguir muita coisa nessa vida, cês concordam? Mas cá estou eu, insistindo no erro, simplesmente por ver minha conta no fim do mês linda, sem passar dos 100 conto. Até que, semana passada recebo um SINAL, como os que o Hans costuma receber, do ALÉM.

Sonhei que dirigia até um posto de gasolina, acompanhada por minha irmãzinha, e parava para abastecer. Só que quando olhava para os lados, percebia um movimento suspeito de 3 figuras do mal. Como sou uma fortaleza (cheia de valentia e garra, pra variar) nos sonhos, sai do carro pra abrir o peito da defesa, quando um dos malucos se aproximou bandidamente de mim e cortou o meu corpo do pescoço às pernas, passando pelo meio da barriga, como naquelas cenas de Niptuck. Eu vi o sangue escorrendo e quando olhei a mão do cara, chuta só? Um fucking CHIP DA TIM. 

Não consegui pegar o celular pra pedir ajuda (e capaz que estaria sem sinal, como de costume), e entrei numa agonia extrema por não saber da minha irmã, que estava sozinha no carro. E aí, chegou um bombeiro perto de mim, com um papo esquisitíssimo "você precisa ir pra Samambaia pro perfeito tratamento do corte de chip". Acordei com o coração batendo acelerado. Era só um pesadelo. \m/

Agora, que os tradutores de sonhos me digam: SIGNIFICA? 

31 de agosto de 2012

Partidas, despedidas e (des)pedaços




Por SACHA BRASIL

Mais uma vez, estamos reunidos aqui para falar sobre nossos corações. Querendo ou não, acho que é o amor que move o mundo e é impossível fugir desse tipo de coisa, e impossível evitar certos clichês. Já falei de um clichê anteriormente, o desapego. Agora, eu queria falar sobre outro mais complicado: a fossa. Claro que um não exclui o outro e, muitas vezes, estão relacionados. Mas a fossa envolve, além do desapego, uma necessidade de esquecimento e cura, de superação, de se reencontrar com você mesmo e seguir adiante.

É aquela velha história: você se envolve com uma pessoa, começa a ver que vocês têm muitas coisas em comum e aí o relacionamento vai se aprofundando. Muitas vezes, dá certo. Muitas vezes, não dá. Quando não dá certo, é possível sentir o momento em que as coisas começaram a andar para trás. É quando a gente sabe que alguém continuou, mas o outro não acompanhou. E aí inicia-se aquela luta para querer fazer tudo para continuar com aquela pessoa porque você não está preparado para largar o osso.

"Quando olhaste bem nos olhos meus, e o teu olhar era de adeus, juro que não acreditei. Eu te estranhei, me debrucei sobre o teu corpo e duvidei. E me arrastei e te arranhei, e me agarrei nos teus cabelos...". O sentimento é mais ou menos esse. Mas as mentes sãs se esforçam para entender a outra pessoa, que também tem um sentimento (que, nesse caso não é o mesmo que o seu, infelizmente), que tem que ser respeitado e entendido, por mais doloroso que seja.

Depois de se rasgar, chorar, puxar os cabelos, se humilhar, implorar para a pessoa não te deixar, a gente deixa de ser louca(o) e vai curtir a fossa, que é um momento importante da superação. Pega seu pijama velho rasgado, deita na sua cama, pega o box da sua temporada favorita, faz uma pipoca, toma uma coca-cola e aproveita. Aproveita para pensar, ficar sozinha um pouco, se desligar do mundo virtual e curtir sua tristeza. Esses momentos trazem grandes aprendizados para a vida e crescimento pessoal. Teoricamente. Uma hora você levanta, toma um banho e tá pronta pra outra (quase sempre).

Eu também acho válido que, bem como temos que entender o sentimento do outro, o outro tem que entender nosso sentimento também e lembrar que não temos um botão de desligar. Que às vezes o desapego tem que ser feito gradualmente porque algumas pessoas não sabem lidar com rupturas bruscas. Então se a pessoa, no caso você criatura apaixonada, ligar e falar que precisa conversar, que precisa de um abraço, vai lá e dá uma ajuda. Mas sempre deixando tudo claro mais uma vez que acabou mesmo, que é melhor, que blablabla broken hearts blablabla. Isso também é importante porque nessas horas nenhum amigo adianta. Só você, pessoa não apaixonada, pode resolver isso.

Também tem aquela história de achar que o problema é seu. Por mais que a pessoa diga que não é, é impossível não pensar que a gente errou de alguma forma. Mas esse também é o momento de se dar valor e acreditar que se não deu certo agora, não é culpa de ninguém, é só porque vocês não estavam na mesma sintonia. Depois vai dar certo com outra pessoa, no momento certo.

"Después de la tormenta siempre llega la calma". As coisas melhoram. É o que dizem. Mas como superar também aquele sentimento de: o que será que eu poderia ter feito para mudar as coisas? Será que algo pode ser feito? Por que você, pessoa, não acredita que eu quero te fazer feliz? Isso aí eu ainda não sei, mas gostaria de saber.

Por SACHA BRASIL

22 de agosto de 2012

E eu que já não quero mais ser um vencedor

"You lose,
You learn"
Alanis Morissette



A minha vontade, depois de dias como ontem, é só de despejar tudo quanto é catástrofe que tem rolado na minha vida nesse ano aqui, xingando devidamente cada momento. Como recebi várias reclamações no SAC do Tratado, de gente preocupada com o chororô dos últimos posts (gente, eu tô boazinha, tá?), vou pegar mais leve. Esbocei alguns outros textos sobre essas coisas tristes, mas guardei pra um dia ter prazer de deletar um por um, certa de que tenho sido super tolinha vestindo essa baby look zoada com "Why does it always rain on me?". Vou poupar vocês de bad trips e deixar uma mensagem de paz pra quem passar por aqui, porque cheguei a uma linda conclusão que preciso compartilhar com o muuundo:

No ecziste universo conspirando a favor ou contra.
As coisas no mundo simplesmente acontecem. Você pode ser a pessoa mais limpeza e digna da vida mais repleta de unicórnios, arcoiro e chuva de amor, mas ó: tem gente que vai  querer te fazer mal ou que vai te fazer mal sem querer, você vai passar por apertos de grana ou vai achar sua vida monótona por falta deles (eeer, not, mas bora lá, que eu tô num dia difícil, preciso que me ajudem), vai ter dificuldades pra realizar alguns dos seus sonhos, não realizar, perder eles de vista
ou nem ter sonhos (que é pior), vai ser demitido, trampar num canto mais ou menos, se estressar, ter trabalho pra se relacionar, furar o pneu, vacilar feio, ser culpado pelo que não fez, pagar mico, ter diarréia, ser furtado, adoecer, brigar, sentir dor (física e de coração), enterrar gente querida ou só perdê-las na sua vida e, olha só, vai até morrer (tan dan!). Você vai perder, muitas vezes. E isso não vai parar.

Não é porque você mereça passar por tanta pendenga. Isso é a vida e ela não costuma funcionar sempre por merecimento.  Não culpa o universo por essas paradas, nem a macumbaria da última bruaca que jurou te dar rasteira se te visse no meio da rua (guia pra achar outros culpados aqui). Se você não acredita que pega em você, seja uruca da Dona da Esquina ou maldição da posição das estrelas, você é livre de tudo quanto é amarração (e sem precisar de descarrego). Nada não físico pode te prender se você não deixar. Força no psico.

E aí, depois de entender que eu continuo sendo mesmo uma boa menina e que eu realmente não fiz nada pra ser alvo de tanta coisa ruim, quero mais é que se explodam quaisquer constatações com base no meu passado ou que envenenem o futuro de qualquer um. Na real, o universo não tá nem aí pra vidinha da gente (dizem que ele responde com frequência "frankly, my dear, I don't give a damn" quando botam a culpa nele) e, mesmo se tivesse, meodeos, sério que tem que mirar em alguém? Não, né? O universo é legal. As pessoas são o próprio mal delas. Não precisa rolar nada mais pra que aprendam com as besteiras que fazem, porque o que rola dentro delas já tá lá, judiando.

___

Ao filho da puta que levou meu celular enquanto eu esperava atendimento no pronto socorro, meus sinceros votos de vida longa com peso na consciência. E se ele já tiver imune a complexo de culpa, não tenho nem o que desejar. É um coitado que já perdeu um monte de valor que ajuda a ter uma vida mais massa. E outra, fica esperto:


___

Ah, just for the record: você também vai ganhar na vida! E isso também não vai parar. “Há tempo para todo propósito na Terra”, diria um dos poetas de Chessus. C’est la fucking vie. Uma hora cê tá embaixo, outra hora cê tá em cima... às vezes, cê só quer um bolinho. Vamo vivê. A gente é mais fortaleza do que acha que é. Nossos portos seguros podem até mudar, mas continuam sendo a prova viva de que vale a pena acreditar.


P.S.: Eu sei que a levada ainda tá meio down, mas prometo que só posto o próximo com outro humor. Dia 1º tem o lançamento de uma das paradas mais felizes do ano. Anuncio aqui! ;)

26 de julho de 2012

Let’s talk about (des)apego

Por SACHA BRASIL

"Eu não sou a doninha de ninguém"
Amelié Poulain



Hoje eu queria falar um pouco sobre desapego. Visto que não sou a pessoa mais desapegada do mundo (aliás, não sou desapegada at all), esse post, dessa forma, conta um pouco sobre os apegos que acontecem na nossa vida (ou na minha, pra ser bem mais exata).

Você pode ser apegado a um objeto (seu lápis preferido, por exemplo), a uma forma de ser, a memórias, ao seu animal de estimação. Enfim, a QUALQUER coisa. Mas sem dúvida alguma, a pior forma de apego é relacionado a pessoas. Meus amigos, apegar-se a algo é até compreensível (mas também não muito saudável). A coisa é sua mesmo, você (quase sempre) comprou. Aquilo te pertence e você sabe, você pode controlar. Você pode possuir sem medo de ser feliz. Agora se apegar a uma pessoa pode ser extremamente, digamos, perturbador.

Pessoas não são de ninguém e você não pode ser dono de uma pessoa, apesar de que, para algumas mentes doentias, isso seria totalmente aceitável (isso serve tanto para romances quanto para amizades, mas em caso amoroso, as coisas são mais complicadas). Então como se já não bastasse você querer que a pessoa seja sua e somente sua, você também acaba se apegando às coisas dela, aos momentos que viveu com ela, a tudo relacionado a ela (um carro, uma expressão, uma música, um tênis, uma blusa, umas tatuagens). E, ao mesmo tempo, tudo que é seu e que te lembra essa pessoa também gera em você um apego maior (um penteado, um batom vermelho, uma roupa, uma música, um carro, um celular, um lugar, até mesmo um sorriso).

E aí, em um determinado momento, você percebe que aquela pessoa NUNCA foi sua. Porque né... pessoas não têm donos. E aí você se vê obrigado a desapegar de tudo. Mas como desapegar de tudo isso? Como superar aquele apego louco de saber onde a pessoa está, com quem ela está, o que ela faz, se ela está falando as coisas que disse pra você pra outras pessoas, se ela está usando aquele tênis surrado que você ama, aquele relógio que você acha um charme, aquele sorriso encantador que você achava que era só para você (nobody knows it, but you’ve got a secret smile and you use it only for me. SÓ QUE NÃO)?

Como desapegar das suas próprias coisas que te lembram aquela pessoa? Isso gera um processo bastante perturbador e até enlouquecedor. Como manter sua sanidade mental? Tem gente que passa e fica marcada em você de um jeito que você nem percebe (só depois, quando tem que esquecer, né). O que você faz? Joga tudo fora? O que você faz com você mesma? Morre?

Não, cara, calma! Respira fundo que vai dar tudo certo. Depois de um tempo (para aquelas pessoas que têm a memória normal e não super trabalhada como a minha), essas coisas vão te causar, no máximo, um sorriso de canto de boca. Porque eu acho muito louco ser (muito) apegado a coisas e pior ainda ser apegado a pessoas, mas é bem normal se apegar a lembranças. Mesmo porque, depois de um tempo, o seu cérebro será preenchido com outras lembranças. E esse é o momento que seu coração pode descansar em paz, até ser perturbado por outro apego. Porque, afinal, esse é o curso natural da vida e dos corações que vivem apaixonados por aí.


Por SACHA BRASIL

2 de julho de 2012

Ainda não fazem pessoas de algodão

How happy is the blameless vestal's lot!
The world forgetting, by the world forgot.
Eternal sunshine of the spotless mind!
Each pray'r accepted, and each wish resign'd;
Alexander Pope



- Não, eu não tô querendo namorar, sabe? Eu queria só curtir numa boa, só com essa pessoa.



Papo de mina. Nos últimos meses, ouvi isso algumas vezes, ciente do que se tratava e entendendo completamente o significado da coisa. Não, meninos, elas não querem namorar mesmo. Não precisa ficar inferindo pela quantidade de afeto dedicado ou pela vontade declarada de gastar tempo ao seu lado. A conclusão de que ela só quer, só pensa em namorar, na maioria dos casos, é ir além do proposto. Caberia um namoro, mas não é exatamente só esse tipo de relação que atenderia. Na realidade, como isso é entendido hoje, não é mesmo.


Vamos analisar alguns fatos. 99,2% das pessoas queremos beijo bom, abraço de urso que dá quentinho no bucho, sexo fantástico com múltiplas alegrias, bater papo ou compartilhar silêncio até altas horas sem ver o tempo passar, acompanhar e ser bem acompanhado, sentir-se envolvido e amado. Quando achamos um ser que dá conta do recado, o próximo passo é torná-lo exclusivo e incompartilhavel. É o "quero essa pessoa só pra mim" como clamor se concretizando. Egoísta, mas né, é assim que funciona. 


Mas aí, fica ligado: se você realmente tem interesse que esse ser bonito permaneça na sua vida para sempre, e não só na sua lembrança, vira amigo. Dizem por aí que casamento é uma instituição fadada ao fracasso, mas o namoro é, antes disso, o sisteminha mais escroto para eliminação de gente que um dia teve valor diferenciado em nossas vidas. Racionalmente, é muito mais vantajoso (e menos cruel) investir em amizades duradouras com pegações esporádicas do que namorar. 


Eu sei que rola muito filho da puta no mundo que merece cair no esquecimento e muita barraqueira surtada que é melhor não manter contato, mas eu acredito mais que a gente perde muita gente especial de verdade por conta desse esquema bichado aí. Geral troca de status da noite pro dia, desmarcando cada foto registrada, cada passo já dado junto, excluindo do orkut (heuaheua) e bloqueando em tudo que é feed. Fez parte da sua vida ou não, mané? Você realmente quer tomar esse caminho na vida? As pessoas têm mais valor que isso. E elas não deixam de ter só porque não te acompanham de perto mais. 



Outros números úteis de relações pré-namoro, segundo estatísticas*:

- 98,73% dos minos que querem te pegar, pegaria também suas melhores amigas. 46% deles acha isso ok. 22% concretiza o ato, se tiver chance. 100% desse grupo merece se lascar (junto com as amigas que toparam a pegação).
- 9 em cada 10 pessoas nutrem relações de amizade íntimas com gente que fala groselhas e troca galanteios com frequência, mesmo que estejam comprometidas. O intuito de tal safadeza é a alimentação do ego por fontes secundárias, ou manter aquele famoso step (que são potenciais PAs ou BAs). Eu costumo chamar isso de molecagem.
- Mulher é tudo doida. Todas, sem exceção. Algumas, em especial, vêm com uma manha sinistra pra arranjar confusão e bagunçar a vida alheia. Para essas, remédios e bons cortes dos próprios minos (é preciso ter the balls pra dar conta desse recado) pode resolver. Não é garantido, mas a tentativa é válida.
- 32,57% das pessoas admitem se sentir ofendidas quando está pegando alguém que contempla e comenta a presença de boys magias ou gostosas no mesmo ambiente. 
- Metade da galera não se sente bem em "curtir momentos" em que a pessoa tem que se dividir para atender você e as 472 demandas do celular. Vamos manter o foco, pessoal.


Das verdades imutáveis:

- O tal de "olhos só pra mim" nunca existiu nem nunca vai existir. Os olhos tão aí pro mundo, meusa.
- Exs não são propriedade de ninguém quando têm essa qualificação na vida. Pode espernear, mas se você já perdeu o terrítório, não tem porque se debater e achar que ainda tem direito de posse. Não, não tem. Engole o choro. Não.
- Para aqueles mega insensíveis que falam coisas como "não gosto de você como você acha que eu gosto, but nice boobs", "tô contigo, mas quero pegar geral", "vamos ficando, mas eu amo outra", para peguetes, rolos e afins, ó a dica: não precisa, né? Tentar ser honesto com seus sentimentos E não machucar os do outro é o caminho para a paz mundial. Bom senso é felicidade garantida. Se não quer, só fala que não quer. Poupa o outro de detalhes que só derrubam. Gente ainda vem com coração.
- A gente nunca sabe o que o outro sente for real.
- Independente do tipo de relação que se tem, ninguém é de algodão. Respeito é valor supremo e deveria ser a medida de todas as coisas. Esse conceito não é relativo. Deveria rolar antes, durante e depois de qualquer contato próximo com troca de afeto. E de não contatos sem trocas também. 

Aceito que sumir depois de um fracasso amoroso pode ser necessidade. Depois de passados os tempos necessários pra curas de supostas feridas, pode ser falta de alguma coisa. Talvez de vontade, de coragem... Na maior parte dos casos, falta interesse.


Hoje, na minha cabeça, falta mesmo é sentido.


*Dados do Instituto de Pesquisas Livia Holanda. 1.398 pessoas foram entrevistadas. Só que não.

26 de abril de 2012

Da falta de "informação" em três atos

"Porque és o avesso 
do avesso 
do avesso
do avesso"
Caetano



Ato I

Feira da Benedito Calixto. Passamos em frente a uma barraquinha que vende ARTE e vimos um "quadro" de mais ou menos 1m por 30cm.

- O preço é 125 reais?
- Alguma dúvida, meu filho? - ela abriu o peito como nigga rebeldia, pronta pra atacar.
- Sim, tá caro.
- Você sabe o que é isso? Vai se informar. Isso é Romero Brito, meu filho.

Momento "vamos saindo antes que essa baranga meta a mão na gente".

- Por isso mesmo, mó McDonald's da arte... por esse preço...
- Ah, eu mereço mesmo. Hoje não vai dar pra trabalhar aqui não... Povo desinformado, cada uma que eu tenho que escutar.



Ato II

Um táxi para ao lado do outro no sinal, taxistas papeiam.

- Nossa, tá movimentado esse fim de semana, né?
- Verdade. Passei a noite de ontem inteira trazendo e levando bêbado pra esse show da Lolla...
- Eu também. Olha, não conheço essa mulher não, mas deve ser boa essa tal de Lolla. Todo mundo indo pra lá.



Ato III

Metrô de volta pra casa, cheio como nunca visto na vida. Tumulto generalizado. Nego esperto foi lá, fechou uma porta de 4 esquemas e deixou só 1 deles aberto. Ainda não entendi qual a inteligência envolvida na manobra. Depois de passar pela primeira fase de esmagamento, observo o movimento maroto do esperto em minha frente, tentando localizar a melhor posição de espera em prol do encaixe perfeito do braço dele entre meus boobs, tal qual pecinhas de lego. No empurra-empurra, eu nem ia me dar conta da joselitagem do bicho. NEM.

- Véi, véi, observa. - chamou atenção do amigo.

Valente que sou, travei o corpo e cruzei os braços.

- Devagar com esse movimento ae, rapaz. Eu tô vendo seu plano. Vai devagar que não é tão fácil ter acesso ao material aqui assim.

Ele saiu de bege pra roxo de vergonha em 3 segundos. Sorriu sem graça e me deu espaço. Continuei fulminando com o olhar.

- Foi mal ae. Desculpa, moça.

Mandei o silas interno (it means: n.º 1 desta lista). Permaneci lady.

¬¬

11 de abril de 2012

O jeito nada fino de se debulhar em lágrimas ouvindo uma música

Hoje temos convidada especial (super inspirada e cantarolante) para nossa alegria. Quer dizer... quase isso. Ela vem para nos ensinar direitinho como por toda a tristeza pra fora sem medo de ser feliz. Quer dizer... Ah, leiam ae. Com vocêeeees, Sachita.

(clap, clap, clap, clap, clap)



"Tristeza não tem fim
Felicidade sim"
Vinícius de Moraes











Por SACHA BRASIL

Depois das músicas super especiais da Livinha para mandar as pessoas para aquele lugar sem perder a classe, venho aqui dar dicas de como perder a compostura e desidratar de tanto chorar, sem vergonha, apenas ouvindo músicas. Para mim, as canções abaixo passam um recado de momentos da nossa vida que nos fazem ficar muito tristes. Mas depois que acabar, é levantar a cabeça e seguir em frente, galera. Larga esse estilete!


1.Snow Patrol – Run


Entre outros versos, esse é um dos mais tristes. É aquele de uma separação física dolorosa. Oficialmente minha música da depressão.

To think I might not see those eyes
Makes it so hard not to cry
And as we say our long goodbye
I nearly do”

2. Adele – Chasing Pavements


Eu sei que Adele é o clichê da depressão nos tempos atuais, mas essa, apesar de não ter o ritmo triste, tem uma letra muito sugestiva. Sobre sonhos impossíveis, sobre desistir ou se jogar.

Should i give up,
Or should i just keep chasing pavements?
Even if it leads nowhere,
Or would it be a waste?
Even if i knew my place should i leave it there?

 
3. Radiohead -  Exit Music (For A Film)




 

Esse é o clichê-mor da depressão de todos os tempos do mundo. Mas essa música, em especial, me faz ter MUITA vontade de chorar. Parece que o cara tá morrendo, só falta fechar os olhos.

 

we hope your rules and wisdom choke you
now we are one
in everlasting peace
we hope that you choke, that you choke


4. Sara Bareilles – Between the lines


Estou num vício indescritível com Sara Bareilles e essa música é de cortar os pulsos com um palito de dente, tipo morte lenta. A pessoa foi embora com outra. Apenas isso.

He told me her name
It sounded familiar in a way
I could have sworn i'd heard him say in ten thousand times
Ohh if only i had been listening


5. Lauryn Hill – When It Hurts So Bad


Sobre amar e não ser amado… A música toda é um sofrimento.

“When it hurts so bad, when it hurts so bad
Why's it feel so good?
But the love wasn't returned
Found out the man I'd die for
He wasn't even concerned
I tried, and I tried, and I tried
To keep him in my life
I cried and I cried, and I cried
But I couldn't make it right
But I, I loved the young man
And if you've ever been in love
Then you'd understand”


I loved real, real hard once


6. Pink Floyd - Wish You Were Here


Essa não poderia faltar. Nem preciso falar muito sobre, né? O bom é que ela é bem adaptável a várias situações. Tá usando muito.

How I wish, how I wish you were here
We're just two lost souls
Swimming in a fish bowl,
Year after year,
Running over the same old ground.
What have we found?
The same old fears
Wish you were here”


7. Matt Wertz -  5:19


Essa daqui é bem triste, faz parte de uma experiência pessoal (que foi superada positivamente, inclusive). A pessoa não sabe o que quer e tal, mas como você ama, espera ela se decidir.

“Baby, take all the time you need
I just want you to know
I'll be here, waiting
One eye on the clock
And one on the phone
It's 5:19
I´m feeling alone
if I could talk to you
I'd wanted you to know
I'm holding loose
But ain´t letting go”


8. Paolo Nutini – Last Request


Para mim, essa tem um significado especial. É o cúmulo do desespero você saber que não vai dar certo, mas pedir pra pessoa ficar só mais uma vez. Mas romantizando bastante, faz sentido, né? Eu faria isso facilmente.

“Grant my last request and just let me hold you, don't shrug your shoulders
Lay down beside me
Sure I can accept that we're going nowhere
But one last time let's go there
Lay down beside me”


9. Anna Nalick – Breath


Essa, apesar de bem triste, é um recado do tipo: calma, cara, respira. Vai dar certo.

No one can find the rewind button, girl
So cradle your head in your hands
And breathe, just breathe
Woah breathe, just breathe”


10. Roberto Carlos – Detalhes


Quem me conhece, sabe que o Rei não podia faltar nessa lista. Mas essa música é da pessoa convencida, né? Você me trocou por outro, mas você me ama. Não deixa de ser triste. Particularmente, acho lamentável.

Eu sei que um outro deve estar falando ao seu ouvido
Palavras de amor como eu falei, mas eu duvido!
Duvido que ele tenha tanto amor
E até os erros do meu português ruim
E nessa hora você vai lembrar de mim”


11. Elis Regina – Atrás da Porta


Aqui é rasgação de pulso. A pessoa está implorando para não ser deixada, sabe? Se arrastando, puxando os cabelos. Triste, muito triste. Fica, vai ter desespero e humilhação.

“E me arrastei, e te arranhei
E me agarrei nos teus cabelos
Nos teus pelos, teu pijama
Nos teus pés, ao pé da cama”


12. Jennifer Hudson – And I Am Telling You I’m Not Going


Essa também é humilhante, pois a mulher diz que não vai desistir, mas o cara já desistiu a muito tempo e ainda mandou a coitada embora. Música para quando você quer se esgoelar.

Tear down the mountains
Yell, scream, and shout like you can say what you want
I'm not walking out
Stop all the rivers, push, strike, and kill
I'm not gonna leave you
There's no way I will


13. Eric Clapton - Tears in Heaven


Essa daqui a gente pode pegar o estilete e cortar os pulsos de uma vez que é menos doloroso. Quem sabe a história, há de concordar. Eric Clapton fez para o filho que morreu. Nem imagino a dor.

Would you know my name if I saw you in heaven?
Would it be the same if I saw you in heaven?
I must be strong and carry on.
'Cause I know I don't belong here in heaven.”


14. Caetano Veloso - Você não me ensinou a te esquecer


Caetaninho apelou nessa aqui. É aquele lance de buscar nos outros aquela pessoa de quem você sente uma infinita falta. Deu mole pra caramba, tremendo vacilão. Agora aguenta!

“E nesse desespero em que me vejo
Já cheguei a tal ponto
De me trocar diversas vezes por você
Só pra ver se te encontro
Você bem que podia perdoar
E só mais uma vez me aceitar
Prometo agora vou fazer por onde nunca mais perdê-la”


15. Katy Perry – Thinking of you


Por ultimo, Katynha, que arrasou nesse sofrimento. Ela amava uma pessoa, a pessoa morreu (pelo que eu entendi do clipe, foi isso, mas também serve se a pessoa te deixou ou você deixou ela ir e tal...), ela tá com outro e continua pensando no cara que amava. Como lidar?

He kissed my lips
I taste your mouth
He pulled me in
I was disgusted with myself”

Superado isso, vamos ficar de boa!


[A Sacha é jornalista, redatora, amiga dos animais, cantora de deprê songs nos videokês, jovem ainda (em maio, velha será), enxugadora de lágrimas, levantadora de queixos, e hairstyle nas horas vagas. Ah! Ela é feliz, tá? Podem conferir. Sigam Sachamego: @sachabrasil]


29 de março de 2012

O jeito fino de mandar o mundo se lascar

"Quem canta seus males espanta"
Vida





Ei, você, pessoa que passa muita raiva e tem vontade de colocar todos os desaforos do universo para fora, só que por alguma força oculta (leia-se educação, bom senso, sétimo sentido anti-barraco) não consegue. Você, que quando tenta falar de todo o ódio que toma seu coração, só consegue sentir as mãos tremendo, a voz embargando e... chora.

Calma que isso nem é falta inteligência emocional. Naaah, magina. Isso só pode ser uma coisa: falta de conhecimento da lista abaixo. Ela apresenta as formas mais serenas e felizes de anunciar o sentimento maligno que provocaram em você. Eis as músicas de afronta, babe.

Como tem muito disso por aí, seguem minhas preferidas, com destaque aos trechos mais preciosos e instruções acertadas de como usá-los. 

Momento de tratado didático. Sabedoria liviana, eu a garantcho.
Cof cof, limpem as gargantas. Ação!



1. Será - Legião Urbana



Desabafo: 
Tire suas mãos de mim, eu não pertenço a você
Não é me dominando assim que você vai me entender

Quando usar: Quando o motorista do ônibus te puxa pelo braço pra que você pague R$2,10 da passagem que não é sua, por exemplo. Isto é, quando qualquer ser abusado se mete a besta e tenta se impor te tocando. 


Como usar: Ao mesmo tempo que você canta GRITANDO esta música, é importante pegar a mão que te toca e jogar pra beeeem longe do seu corpo, com cara de nojo e sangue nos ói. 



2. Mentiras - Adriana Calcanhoto


Desabafo:
Nada ficou no lugar
Eu quero quebrar essas xícaras
Eu vou enganar o diabo
Eu quero acordar sua família...
Eu vou escrever no seu muro
E violentar o seu rosto
Eu quero roubar no seu jogo
Eu já arranhei os seus discos...

Quando usar: em momentos de surtos em que nada e nem ninguém vai entender o que se passa na sua cabecinha maluca. Sim, esse é o momento de quebrar tudo e incorporar o terror e destruição que já se revelou no âmago do seu ser. Joga isso pra fora, faz acontecer.


Como usar: essa música não pode ser cantada com raiva. Você tem que fingir completo equilíbrio, controlar a fúria e cantar bem baixinho, encarando o ser provocador do ódio. Baixinho aqui é quase murmurando... Os mino gela.



3. Como eu quero - Kid Abelha


Desabafo: 
Tira essa bermuda que eu quero você sério
O que você precisa é de um retoque total
Vou transformar o seu rascunho em arte final
Eu quero você como eu quero


Quando usar: depois da 3ª DR pelo mesmo motivo, depois da conclusão de que você que precisa de tratamento, depois do não consenso seguido de calmaria. 


Como usar: finge que tá tudo bem, que já aceitou a condição inaceitável, senta do lado e começa a fazer carinho cantarolando esses versos. Na parte do "uuuuuh" talvez a situação já esteja tranquila. Se a resposta não for positiva (leia-se aqui: carinho de volta, sorriso, abraço, pegação), bota um decote violento e canta passando a mão no corpo com toda a zenzualidadjy do mundo. Das duas, uma: ele se rende ou ele ri (ok que em casos extremos, ele te lança longe, mas bora desprezar a existência desses toscos). Gealous! Se não der certo, pedala pra alguma outra da listinha. Vai que dá.



4. Faz parte do meu show - Cazuza



Desabafo: 
Confundo as suas coxas com as de outras moças te mostro toda dor
Te faço um filho, te dou outra vida pra te mostrar quem sou
Se eu te escondo a verdade, babe, é pra te proteger da solidão


Quando usar: quando se quer deixar bem claro que tá tudo dominado. Não precisa preceder fights.


Como usar: essa é para minos malas usarem enquanto dirigem e passam a mão na perna da mina ao lado, ao mesmo tempo que olha pro outdoor e grita "que gostosa, né?". Ela não vai se importar, porque né, mulher apaixonada é o tipo mais besta e fácil de aceitar essas idiotices. No fundo, ela sabe que tá garantida. Ou mais que isso, que você que tá na mão dela, outáreo.




5. Cara Valente - Maria Rita



Desabafo:
Então, não faz assim rapaz
Não bota esse cartaz
A gente não cai não...
Ê ê, ele não é de nada


Quando usar: pra se afirmar nessa vida. 


Como usar: levou um toco? Se valoriza, véi. Você é mais e qualquer suposto "tudo de bom" do universo pode não ser de nada. Convoca a amiga que abraça sua causa e canta sorridente, junto dela. De preferência num sambão, cheia de charme, cercada por aaaaltos gatchenhos. Ahaza, gatan.


6. Meu Erro - Paralamas


Desabafo: 

Eu não quero te ver
Nem quero acreditar
Que vai ser diferente
Que tudo mudou...
Você diz não saber
O que houve de errado
E o meu erro foi crer
Que estar ao seu lado
Bastaria!

Quando usar:
depois de já ter tentado infinitas vezes e desistir.

Como usar:
não canta tudo não. Escolhe os versinhos mais revoltados e bota pra fora com platéia. Quem te conhece vai te apoiar, entender o drama, ir pro seu lado e estender a mão.



7. Primeiro de Julho - Cássia Eller



Desabafo:
Não penso em me vingar
Não sou assim
A tua insegurança era por mim
Não basta o compromisso
Vale mais o coração
Já que não me entendes, não me julgues
Não me tentes
O que sabes fazer agora
Veio tudo de nossas horas
Eu não minto, eu não sou assim
Ninguém sabia e ninguém viu
Que eu estava a teu lado então

Quando usar:
se percebeu que te escondem, que não te assumem e que não existem passos em direção a isso. 

Como usar:
enche o peito depois que a tempestade passou, senta na varanda de casa, deixa o vento bater na cara e, se puder, bota o violão no colo. Se não rolar de tocar, só faz pose de Cássia que já basta... só isso é de uma força do além! Sinta-se firme e dono de si.


8. Elis Regina - Como nossos pais



Desabafo:
Mas é você
Que ama o passado
E que não vê
Que o novo sempre vem...
Minha dor é perceber
Que apesar de termos feito tudo, tudo,
Tudo o que fizemos
Nós ainda somos os mesmos e vivemos
Como os nossos pais...

Quando usar:
quando tiver muito certa do novo rumo que sua vida há de tomar.

Como usar:
essa é perfeita para cantar impostando a voz e apontando o dedo. Se der, rola até de errar a letra pra dar mais dramaticidade. Manda um "é você que é mal passado e que não vêeeee...". :D




9. Olhos nos olhos - tio Chico


Desabafo: 

Quando você me quiser rever
Já vai me encontrar refeita, pode crer.
Olhos nos olhos,
Quero ver o que você faz
Ao sentir que sem você eu passo bem demais
E que venho até remoçando,
Me pego cantando, sem mais, nem por quê.
Tantas águas rolaram,
Quantos homens me amaram
Bem mais e melhor que você.

Quando usar:
quando tiver vivido essa parada e sentir-se assim de verdade. Se rolar com você, qualquer tempo é tempo de declarar.

Como usar:
não encara a pessoa, não. Essa daí é pesada. Canta pros ares e só mentaliza. Os ares se sentirão afrontados.


10. Dirty Man - Joss Stone


Desabafo:

You're a dirty, dirty man
Oh in so many, so many dirty ways
You're a dirty, dirty man
And you've been hidding your little dirt all over this here place
I know you have
Oh here's my chance baby
To throw some mud in your face

Quando usar:
 é pra quando você descobrir que aquele fidequenga safado pega você, mais 5 e tem uma namorada oficial. Ou que você é a namorada. 

Como usar:
no momento de ira extrema. Você vai cantando e juntando as peças de roupa dele na sua casa (ou na casa dele, tanto faz). Separou tudo? Joga pela janela. Alterna essas ações com olhadas fulminantes ao verme. No ponto alto da canção, lança ele pela janela também. Do seu coração, oh. Firmeza, mulher.

Da Joss, também rola You had me, que você desabafa o refrão no mesmo mode de Dirty Man, só que mais animadinha, menos dramática. Quero força no "I'm taking back my life", ok?






11. Irreplaceable - Beyoncé




Desabafo:
You must not know about me
I could have another you in a minute
Matter of fact, he'll be here in a minute, baby

Quando usar:
na mesma situação do número 10 ou só porque caiu sua fuckin ficha e você tá afim de algo melhor (na real, você tá certa de que CONSEGUE algo melhor).

Como usar:
incorpora a Beyoncé que há em você. Manda embora soberana e finge que não tá nem se abalando com o movimento do rapaz.



12. 5 minutes alone - Pantera



















Desabafo:
You've waged a war of nerves
But you can't crush the kingdom
Can't be what your idols are
Can't leave the scar
You cry for compensation
I ask you, please, just give us
Five minutes alone
Just gimme
Five minutes alone

Quando usar: 
acho que deu pra perceber que a gritaria é \m/. A situação tem que pedir esse apelo aí.

Como usar: 
Use com parcimônia. Tem gente que se assusta só com o som pesado (_o/), imagine se entender o que você tá falando!




13. 99 problems - Jay Z


















Desabafo:
If you havin girl problems i feel bad for you son
I got 99 problems but a bitch ain't one
Hit me
And i know my rights so you gon' need a warrent for that
"Aren't you sharp as a tack are some type of lawyer or something?"
"Or somebody important or somethin?"
Nah i ain't pass the bar but i know a little bit
Enough that you won't illegally search my shit

Quando usar:
quando quiser mandar todo mundo se lascar.

Como usar:
finge que é um rapper das criminalidade que tá revoltado com a humanidade (aaai, como eu sou poetiiiisa). Logo a postura dos mano dos gueto yo! vai ganhando espaço. Super vale gritar e mexer as mãozinhas hip hop style pra fortalecer a váibe. Se puder por a cabeça no chão e dar aquela giradinha marota também é massa! heuaheuaheua. Ok, menas.




14. Set fire to the rain - Adele


















Desabafo:
But I set fire to the rain
Watched it pour as I touched your face
Well, it burned while I cried'
Cause I heard it screaming out your name, your name!
I set fire to the rain
And I threw us into the flames
Well, it felt something died
Cause I knew that that was the last time, the last time!

Quando usar:
bom quando você já tá sentindo que tá liberta de algo do mal. Que realmente foi a última vez que se submeteu a uma parada que não precisava se submeter.

Como usar:
como se fosse possível tacar fogo na chuva. Como se sua voz ecoasse como a da Adele. Como se tivesse muito poder. Aí, levanta a mão enquanto canta berrando, direciona pra galáxia isso ae. Desafinar é permitido nessa (só nessa, tá?).





15. You should be stronger than me - Amy Winehouse






Desabafo:
Don't you know you supposed to be the man?
Not pale in comparison to who you think I am
You always wanna talk it through - I don't care
I always have to comfort you when I'm there
But that's what I need you to do - Stroke my hair
Cause I've forgotten all of young love's joy

Quando usar:
se ele não assume posição de "macho" da parada e você quer dar uma cutucada ixperta.

Como usar:
depois de algum comportamento duvidoso do rapaz, aquele que você realmente esperava que seria o momento de macheza e valentia dele. Daí, faiou? Começa a cantar do nada, como se fosse uma conversa apenas. 




16. Married with Children - Oasis


Desabafo: 
I hate the way that you are so sarcastic
And you're not very bright
You think that everything you've done's fantastic
Your music's shite it keeps me up all night
There's no need for you to say you're sorry
Goodbye I'm going home
I don't care no more so don't you worry
Goodbye I'm going home

Quando usar:
depois que terminou uma união semi-estável, na qual você se manteve por muito tempo suportando algumas paradas que odiava no outro. 

Como usar: s
e você realmente não curtia as coisas da pessoa e tá sentindo que vale a afronta, desabafa. Vale cantar calminho, com controle da situação, se der conta. Se não, aumenta só a gravidade (o grave, rs) da voz e demonstra a seriedade da situação.
P.S.: Antes de mandar essa, é importante verificar se terá para onde ir.



15. Granade - Bruno Mars


Desabafo:
Black, black, black and blue
Beat me 'til I'm numb
Tell the devil I said "hey"
When you get back to where you're from
Mad woman, bad woman
That's just what you are
Yeah, you'll smile in my face
Then rip the brakes out my car

Quando usar:
não aguenta mais aquela infeliz descontrolada que você tem ao lado? Manda ela voltar pros infeeeernos de onde ela veio.

Como usar:
acho importante colocar mais raiva que Bruno Mars ao mencionar esses versos. Se te infernizam, é justo colocar mais peso nisso.




18. Mind Trick - Jaime Cullum




Desabafo:
So come on and take my lead.
It's not just me who feels it
Music plays a mind trick
Watch me forget about missing you

Quando usar:
quando tiver bem, mas tão bem, que nem lembra o que tava te deixando [carioca talks] caíedo [/carioca].

Como usar:
canta feliz essa, vai. Afronta ninguém não.





19. These Days - Foo fighters



Desabafo:
One of these days
I'll bet your heart will be broken
I'll bet your pride will be stolen
I'll bet, i'll bet, i'll bet, i'll bet
One of these days
One of these days
One of these days your eyes will close and pain will disappear
One of these days you will forget to hope and learn to fear

Quando usar:
momento que o orgulho ainda tá ferido, o coração ainda não entende nada, que você tá em pedaços e só deseja sinceramente que o outro também esteja.

Como usar:
como é impraticável encarar a pessoa pra falar essas paradas apontando o dedo do nariz (afinal, se tá rolando quebradeira sentimental, você vai querer se poupar disso), canta fechando os olhinhos, chora, acompanha a força que o Dave põe no refrão, alivia um pouco essa dor... Agora, se quiser apelar e levar a termo o sentido de afronta, faz como achar melhor e deixa o rastro da revolta em algum lugar (ver formas possíveis no desabafo número 2).



20. Runaway - Kanye West 

(por Eliza Doolittle, porque é mais bonitinha!)

Desabafo:
Let's have a toast for the douchebags,
Let's have a toast for the assholes,
Let's have a toast for the scumbags,
Every one of them that I know
Let's have a toast for the jerkoffs
That'll never take work off
Baby, I got a plan
Run away fast as you can

Quando usar:
se rolar uma lista de gente merecedora de afronta pra encaixar em cada verso.

Como usar:
reúna geral num show seu (porque você é popstar, claro), escolha uma bebida a seu gosto, comece a cantar e levante o copo como se brindasse a cada verso, dirigindo o que diz, com os olhos, aos seres alvos da sua afronta. Caso você não SEJE artista cantante, gruda as fota tudo na sua parede e se embebeda cantando e apontando pras carinhas dos abomináveis. Rola até de sair rasgando essas cabeças, dependendo da braveeeza que te toma. Mwahwahwah.

O melhor dessa é que se cantar até o final, vai acabar levantando a questão de que talvez o problema esteja em você. Aí é auto afronta, tema do nosso próximo estudo. GELA. Tô brincando. Sem mais estudos, rs.

Runaway é minha música tema do mês. Qual é a sua?

(╯°□°)╯︵ ┻━┻
Tô rebelde nessa bagaça.


Meu obrigada especial pra Sacha, Manu, Jajá, Suzi e Diougo, que tanto colaboraram nesse post de rebeldia. Prometo nunca cantar nada disso pra vocês. <3