17 de setembro de 2011

Just go, babe


“Ora, se não sou eu quem mais vai decidir o que é bom pra mim
Dispenso a previsão
Aaaaaah, se o que eu sou é também o que eu escolhi ser
Aceito a condição”
Los Hermanos


Daí, ela curte tanto tanto a poesia do carinha que decide estabelecer aquilo como estilo de vida. Pra não fugir da levada, inventa de fixar a frase determinante do destino ao alcance dos olhos. Ei, isso funciona! Porque já funcionava antes, talvez. Só foi um reconhecimento de missão, que alguém conseguiu traduzir tão bem em versos e outro alguém querido teve a iluminação de me enxergar lá. Obrigada, mundo. =) 


Rola de ir levando e se esforçando com tudo que há na gente... rola de colocar uma coisa na cabeça e dar o melhor de si por ela... rola de abandonar, de abrir mão, de se jogar, de se negar, se for preciso, de se perder. Talvez por culpa dessa petulância capricorniana que me toma, uma força além de mim (afinal, as culpas nunca são minhas). Vão me chamar de cabeça dura e teimosa ou de corajosa e maluca. Eles têm razão quando vêm dizer que eu não sei medir nem tempuuuu e nem meduuuuu. Mas, no final das contas, entende-se que persistência e determinação é o que leva as pessoas para o SU-CES-SO, né gente? Né? NÉEEE??? Gente, vocês tão aí?

 
Ok, I won’t Pollyanna you.

Confesso que a parada é tão negativa quanto positiva. Essa mesma teimosia maldita me faz relutar para aceitar que as coisas me encaminhem a viver em outra onda. Que aquele comportamento do outro, aparentemente puro relinchismo, pode um dia ser o meu.  Que meus planos podem não ser os melhores. Que minha aposta da vez pode não dar tão certo quanto imaginei. Véeei, isso é tão foda de admitir.

De repente, seu mundinho ó... vira.

E aí, é preciso ficar bem claro que a premissa tatuada do roll the dice style não perde o sentido. A gente tenta sim, com todas as forças, de todas as formas. Sem essa de desistir (ô palavrinha cruel). Todo mundo pode voltar atrás e mudar o rumo até... que... haja fôlego... de vida. Né.

Vou tentar de outro jeito. Afinal, já comecei e ainda não fui all the way.

Nenhum comentário: