23 de janeiro de 2010

Perdendo (pro) tempo

[9gag]
O tempo é cruel. É por conta dele que as coisas vão se perdendo, desde as frutas que você compra no fim de semana pensando que vão resistir 4 dias, ao menos, à força de vida dos entes queridos. Mas se bitolar na paranóia de que tem que fazer o tempo multiplicar e aproveitar cada segundo e carpe diem/omnia, cara... vira coisa de louco. Você pode tentar só respirar fundo e sentir cada segundo, que pode tanto ter sido uó ou só mais entediante do que o anterior. Acho que pra todo mundo sempre rola aquela vontade de que o tempo passe logo em algumas temporadas e, ao mesmo tempo, aquela saudade que aperta o coração do tempo bom que não volta mais.

Essa semana eu quis muito parar o tempo. Queria muito que o mundo parasse de girar só um pouquinho e me concedesse alguns minutos de suspensão de tempo. O momento imaterial me reservaria o alívio de muito pensamento angustiante e de mais um bocado de sensações que me atormentam só por culpa do tempo. Tempo que voa.

I firmly believe que não tenho inferno astral. Tanto que tudo passou e estive inteirona aqui, no mês que completei 25 anos. O pós-aniversário que pesa... Parece que cobra da gente decidir o que muda, o que permanece, o que vale e o que vai valer a pena. É como se cutucassem irritantemente: "E aí, pra onde você tá indo mesmo?" Não sei, dona Consciência. Laissez-moi, ok? Tô pegando uma carona enquanto eu tento descobrir. Sim, com o próprio tempo. Não quero perdê-lo parada. Maldita inquietude do ser. Bora dançar ali no meio da rua e esperar que alguém tire uma foto idolatrada e que vire papel de bandeja do Marietta. Muitos "alguéns" vão  lembrar do meu bom tempo e sentir a leveza... e nem imaginar o quanto pesa não poder viver aquilo mais.

Tempo que a gente ganha e que vai. Vale sim, cada segundo. Acredite, tá comprovado: nada se perde, tudo se aproveita.
 
"Se um veleiro
Repousasse
Na palma da minha mão
Sopraria com sentimento
E deixaria seguir sempre
Rumo ao meu coração...

Meu coração
A calma de um mar
Que guarda tamanhos segredos
Diversos naufragados
E sem tempo..
."

Jessé/Zeca Bahia e Gincko

Um comentário:

O Tatu Adverte! disse...

O tempos pesa... Engraçado que o tempo que virá pesa mais pra mim do que o tempo que já correu. A incerteza frente a novos tempos não tão brilhantes assim. Ao menos a esperança permanece. Mesmo que quietinha e sonolenta, lá no fundinho...