18 de maio de 2009

Sobre ser uma pimenta

"Pimenta nos olhos dos outros é refresco"
...mesmo se ela estiver triste e cabisbaixa a ponto de não conseguir nem olhar pra cima enquanto anda.

- Põe a musiquinha aí, põe, minha filha... não se estressa com os idiotas e esquece um pouco da vida.

Eu acredito em musicoterapia.
Sou contra crocs... Para mim, são uma ofensa ao bom senso.
Não creio que o homem foi à lua.
Discordo que Caetano seja um bom músico.

Odeio o cheiro do óleo sobre o macarrão.
Sou alérgica ao conceito da soja aplicada a tudo.
Sei que se alface tivesse sabor de bacon, o mundo sofreria menos de obesidade (e minhas saladas seriam mais leves... talvez até consideradas light. Saborosas elas sempre são).
Tudo fica melhor com mel ou creme de leite.
Pipoca é alimento soberano.
Queijo e granola são sempre bons complementos.
Atualmente, os iogurtes de garrafa são mais dissolvidos, os leites mais ralos, os chocolates mais doces. Alguns feelings se perdem, mas o melhor tempo continua sendo agora.

E, na verdade, muita pimenta só é legal em roupas. Cereja em bolsas e sobre guloseimas é o toque especial. Já melancia é boa em tudo... faixas, acessórios. "Muita água, não engorda", dizem por aí. Fruta bonita, paleta cromática perfeita. Kiwi manda bem também, com mais discrição.

Agora se for pra chamar atenção, que seja pimenta. Mesmo que você não a veja, vai senti-la. E se conseguir enxergar, mesmo que o que ela mais queria seja permanecer invisível, será uma boa experiência. Talvez a presença não seja exatamente afrodisíaca e picante... mas é notável, do tipo fácil de ser reconhecida e pronta pra ser identificada.

- Bota uma colherada de azeite pra ajudar a afinar a cintura e traz o sal. E ah! Não esquece da pimenta, por favor.

No fim das contas, a questão talvez não seja a textura, nem o tempero, nem a cor, nem o sabor... mas as sensações.

2 comentários:

Energizaizer's disse...

es hambre del alma.

Leo disse...

Pago pau demais pros seus textos.