13 de novembro de 2008

Desabafo

Antes de tudo, destrisca.
Tira essas suas mãos sujas de mim.
E vai baixando a guarda... não vem com essa de aliviar todo o stress que você acumulou durante o dia na mocinha com cara de indefesa. Não me importa se sua cabeça tá estourando ou se te destituíram de um cargo mais elevado para te colocarem aí. Aceita a condição e aprende a servir E respeitar as pessoas direito. Estão te pagando para isso. Não, também não quero saber se seu pagamento ainda não saiu. É mais 2,1o que você quer? Toma. Sabe onde enfiar ou quer que eu desenhe? E que fique bem claro que toda sua falta de inteligência para manejar essa situação simples é o que vai te prender nesta cadeira pro resto da vida. Não que você seja menos que eu, mas a sua ignorância já é eficiente o bastante para não te fazer um ser melhor em todos os sentidos.
Desnecessário.
Ah, e eu não sou sua filha, nem vou pro inferno... com certeza.
Idiota.



Pronto, falei.
A-Livia-da. Passou.

Um comentário:

Alice disse...

Pirei nesse post! Tudo o q eu queria dizer para uma ou duas pessoas por aí!

E quase chorei com o post daqui de baixo. Quase, pq a jovem gafanhota aqui, assim como vc, não tem mais tempo pra sentir saudades... Mas mooooooooorro de saudades mesmo assim. Na correria do dia-a-dia, cada vez em q quase me desespero, lembro que tenho gente na minha vida e na minha história como vc. Daí o sorriso aparece disfarçado, ali no cantinho da boca, e sigo em frente, mais forte sempre.

Morro de saudade de ti, bichinha!
Beijos mil!